Rita Fior

Bióloga. Investigadora Neurociência. (Fundação Champalimaud)

Rita Fior é uma Bióloga do Desenvolvimento Embrionário. O seu Doutoramento, no Instituto de Medicine Molecular (sob a orientação do Prof. Domingos Henrique) centrou-se em entender um processo de comunicação entre células que é crucial para muitos processos biológicos, este trabalho foi reconhecido com dois prémios internacionais, o Young Geneticist of the Year 2004 (British Genetics Society and Promega) e o prémio de melhor trabalho de 2011 na categoria das neurociências, da BIOMED CENTRAL.

Tal como um telemóvel, esta via de comunicação celular é usada durante o desenvolvimento embrionário para as células falarem e decidirem o seu destino celular, para estabelecerem “colaborações” ou para competirem ou para sincronizarem as suas ações. No seu pós-doutoramento (sob a orientação de Leonor Saúde e Julian Lewis, iMM e CRUK), estudou um gene muito importante na formação dos músculos e coluna vertebral.

Em 2013 com Miguel Godinho Ferreira (IGC) começou a desenvolver um ensaio para medicina personalizada. Este ensaio baseia-se na transplantação de tumores humanos para larvas de peixe zebra de forma a poder testar qual a terapia mais adequada a cada paciente. Este trabalho tem tido um grande impacto na comunidade científica e médica assim como nos media.

Rita Fior é Research Associate na Fundação Champalimaud onde continua a co-coordenar com Miguel Godinho Ferreira o projeto dos “Avatars” de peixe zebra mas também começou a desenvolver uma nova linha de investigação independente. Esta nova linha de investigação centra-se no estudo da interação dos tumores com o seu microambiente.

Rita Fior leciona em vários programas de doutoramento e de mestrado (Gulbenkian, iMM e Programa de Pós-Graduação Ciência para o Desenvolvimento) e neste momento é também responsável pela disciplina de Biologia Molecular e Celular do Cancro na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, mestrado de Genética Molecular.

Leave a Reply

Your email address will not be published.